sexta-feira, outubro 06, 2006

ecos




Depois de anos penso que jamais poderei esquecer o que está embaralhado em meu córtex. As memórias as vezes se evai, mas algo surpreendente fica, fica e fica. Mesmo com todo esforço não há nada o que fazer, existe um auto controle interno que é inerente e independente da vontade, como poder então dialogar consigo mesmo é determinar o que deve ser armazenado em minha própria memória?

Ecos do passado as vezes nos assombram; uma terapia bem feita as vezes resolve, mas a que devemos essa incapacidade de comando, a memória é a solução do ser, ou o ser é apenas uma marionete de sua própria cabeça? Perguntas sem respostas, ecos de um passado.

Lá no fundo de minha memória vejo cenas de um filme preto e branco, colorido ou em sépia, um filme que foi minha vida, será que foi só isso um filme meio esfumaçado que somente eu vejo?

O passado, o presente e o futuro não passam de ecos da memória humana.

3 Comments:

At domingo, outubro 22, 2006 1:31:00 AM, Blogger Marly said...

Na minha memória tem muitas lembranças do passado, umas que eu quero esquecer para sempre.
Outras que eu não quero esquecer jamais, principalmente as que vivi!
Com meus amados sobrinhos!
Que quando me pego lembrando, me vejo sorrindo sozinha.
Essa é uma delas, um garotinho de 4 anos de idade no banco traseiro de um carro, parado esperando a chuva cesar,parar montar a barraca no campi. ele diz o {céu o doga} quando a chuva vai parar para eu tomar meu tete.rs.rs.rs.

 
At domingo, outubro 22, 2006 1:47:00 AM, Blogger Marly said...

"A nossa vida é uma peça de teatro,
por isso dance,cante,ame e viva
intensamente,antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos"
"CHARLES CHAPLIN"

 
At segunda-feira, outubro 23, 2006 7:30:00 PM, Blogger William A. e a gravura said...

Ei está memória é minha... obrigado pela devolução. Valeu Tia pela recordação de minhas lembranças (e sua também)...

 

Postar um comentário

<< Home